Melhorando a digestão através das ervas aromáticas.

Comer e digerir são atividades diárias, eventos de sustentação da vida. Não é de se admirar, então, que um sistema digestivo saudável é reverenciado no Ayurveda como uma pedra angular de bem-estar e que muitas doenças possam surgir da digestão ineficiente. A energia metabólica de fogo da digestão, conhecido como agni, nos permite assimilar o alimento enquanto livra o corpo de resíduos e toxinas (AMA). Ela transforma a matéria física densa nas formas mais sutis de energia que o corpo precisa para ser vital, gerar calor interno, e produzir uma mente clara.

Existem muitos tipos de agni no corpo. Dentro do sistema digestivo, agni determina a produção de ácido clorídrico, noestômago (onde é conhecido como jathar agni), os ácidos biliares no fígado (bhuta agni) e enzimas pancreáticas que digerem açúcar (kloma agni). Também regula a glândula tireoide (jatru agni) e as transformações metabólicas dos tecidos(dhatu agni). Agnis especiais são ainda encontrados em cada célula. A via metabólica do agni começa com a digestão e termina nas células.

Isto pode parecer complexo, mas simplesmente, quando o agni é fraco, não há poder digestivo suficiente para metabolizar os alimentos em energia. Em um nível mais sutil, agni indriya, conhecida como a porta da percepção, ajuda a digerir e transformar a informação em conhecimento externo. Assim, um agni forte permite um corpo e uma mente mais clara e com mais vitalidade.

Você quer um agni equilibrado, que não é nem muito fraco, nem muito excessivo. A qualidade do agni varia de acordo com o próprio dosha: vata, pitta ou kapha. Em tipos vata e kapha, o agni tende a ser fraco e o sistema digestivo “frio”, lento ou irregular, o que pode resultar em distúrbios como má absorção, constipação crônica, fezes moles e gases. Em pittas, o fogo do agni pode se tornar excessivo e causar azia, refluxo ácido, colite e outras sensações de queimadura.

Uma maneira fácil de dar suporte ao agni digestivo é através do uso diário de ervas aromáticas e especiarias, usados para aumentar o agni antes e durante as refeições. Não devemos fazer a distinção entre os usos culinários e medicinais das ervas e especiarias. Na culinária ayurvédica, acredita-se que no seu interior encontra-se o remédio de uma ótima saúde e longa vida, auxiliando na digestão e garantindo que mais energia e menos toxinas sejam levados para dentro do corpo.

Uma prática ayurvédica simples é consumir um pequeno pedaço de gengibre fresco com algumas gotas de suco de limão antes de comer uma refeição. Isso desperta lentamente e gradualmente as chamas de Agni, preparando-o para digerir o prato principal. Além do gengibre, outras especiarias aromáticas que auxiliam a digestão incluem pimenta-do-reino, longa, e caiena; cardamomo; e alcaçuz. Acredita-se que tornar os alimentos mais digeríveis com uma ” pré-digestão “, onde o alimento durante o cozimento combina ao calor e desperta suas qualidades aromáticas , tornando os nutrientes mais fáceis de digerir , uma vez comidos. Estas especiarias também estimulam a secreção da saliva e enzimas digestivas no estômago e intestino e menos agni é necessário no trabalho de digestão dos alimentos, com isso, menos fadiga iremos experimentar durante e após o processo digestivo.

Cozinhar ervas e especiarias também servem para evitar a produção de gases  e ama . Alimento não digerido é discriminado por fermentação em vez de digestão e fermentação é o que produz gazes. Os intestinos podem absorver esses gases, o que faz o cólon  tornar-se tóxico e espástico . Funcho e erva-doce são ervas comumente consumidas em restaurantes indianos como um carminativo após as refeições para evitar gases, desconforto e fadiga. Em casa, experimente mastigar uma colher de chá de sementes de erva-doce e cuspir a polpa depois de engolir o suco.

Assa-fétida também é usada na culinária ayurvédica para remediar a digestão fraca. Este tempero é um auxiliar digestivo potente capaz de remover impactos no trato gastrointestinal. Existe uma fórmula clássica conhecida como hingavashtak ayurvédica, onde a assa-fétida é misturada com outras ervas e especiarias aromáticas e carminativas para promover a assimilação mais profunda de nutrientes. Atua secando, aquecendo e estimulando ações para despertar o agni e tonificar o sistema digestivo.